×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 487
Sexta, 02 Outubro 2015 17:46

Infraestrutura

Nem sempre a responsabilidade pela ocorrência de um sinistro é inteiramente repartível pelos condutores intervenientes. Por vezes, as condições da infra-estrutura rodoviária têm um contributo significativo e não inteiramente compatíveis com o nível de risco normalmente aceite pela sociedade.
Tal pode ser devido a erros de projeto, deficiências de construção ou insuficiente cuidado nas intervenções de conservação.
Podem, assim, ser relevantes questões como as seguintes:
  • Num cruzamento as distâncias de visibilidade são compatíveis com os limites de velocidade afixados mediante sinalização?
  • As condições da estrada, do veículo e de pluviosidade são compatíveis com a ocorrência de hidroplanagem à velocidade de circulação do veículo sinistrado?
  • Porque razão, num trecho pouco sinuoso com o pavimento em aparente bom estado, ocorrem tantos despistes?
  • A irregularidade longitudinal da superfície do pavimento influenciou o comportamento dinâmico do veículo acidentado?
  • As desconformidades com as normas ou recomendações de boa prática influenciaram os comportamentos de condução dos condutores envolvidos ou a dinâmica da circulação dos seus veículos?
A resposta impõe complementar os dados habitualmente recolhidos pelas entidades participantes e pelas averiguações tradicionais com:
  • Informação técnica adicional (levantamentos topográficos de pormenores e indícios relevantes);
  • Auscultação de características superficiais dos pavimentos;
  • Inspeção de equipamento de sinalização e segurança, etc);
O seu tratamento por métodos técnico-científicos rigorosos.